quinta-feira, 3 de junho de 2010

Pastorado Feminista: O que a Bíblia diz?

Postado por: O Criador & Criatura


“A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição. Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão”.
(1 Tm 2.11-14 ACF)

Não há dúvida de que este texto, atualmente, é uma das passagens mais impopulares do Novo Testamento. Alguns buscam descredenciá-lo, seja afirmando que seu uso se restringia a época em que Paulo o escreveu; ou ainda, os que advogam que o mesmo não teria sido escrito por Paulo, mas por outra pessoa no século II.
Meu alvo nesse artigo é demonstrar que não há nada de cultural nesse texto, ao contrário, o mesmo faz parte do perfeito projeto de Deus para humanidade. Aquilo que se chama de “a ordem estabelecida por Deus na criação”. Por isso para compreendê-lo melhor começaremos por analisar a base usada por Paulo. O capítulo 3 do livro Gênesis.

I. Deus Estabeleceu Uma Ordem na Criação (Gn 3)

Em Gn 3.1 a serpente, “a mais astuta” de todos os animais, se dirige a mulher e fala… Analisando o comportamento da serpente, poder-se-ia perguntar: O que estaria por trás da atitude da serpente em se dirigir, em primeiro lugar, diretamente à mulher para falar-lhe e não a Adão? Essa é a primeira pergunta a ser feita na leitura desse texto.

Vale ressaltar que Deus havia estabelecido uma ordem na criação. Observe: Em primeiro lugar, o homem (Adão) após ser criado foi colocado por Deus como líder e guardião do jardim de Deus, “domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves do céu, e sobre o gado, e sobre toda terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra” (Gn 1.26); Tomou, pois, o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden, para o lavrar e guardar” (Gn2.15). Nessa perspectiva, Adão não apenas era o líder do Jardim como também era o líder de sua família. Isso fica muito claro quando Deus afirmou: “far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea” (Gn 2.18b). Desta forma, Eva complementava Adão (não é bom que o homem viva só Gn 2.18a) e Adão complementava Eva. Contudo, foi a Adão que Deus instituiu a responsabilidade de liderança do jardim e da família.

Satanás sabedor de que há uma ordem estabelecida por Deus em toda criação. E em relação ao ser humano, o homem deve assumir a responsabilidade de liderar, e de ensinar a sua família. E de que a mulher deveria apoiar com alegria aquela liderança estabelecida por Deus. Acontece que satanás quer destruir, a qualquer custo, ponto principal da criação de Deus. O homem e a mulher, ambos, imagem e semelhança de Deus. Satanás então desfere seu ataque de modo sutil na ordem estabelecida por Deus. Veja a maneira como ele fez isso.

Satanás vê Adão, mas não lhe dirige a palavra. Ele olha para Eva e de forma sutil a trás para o lugar de liderança quando lhe dirige a palavra e começa um diálogo com ela. É exatamente nesse momento que Adão, falhou. Aqui, fica claro que a primeira falha, na queda, foi de Adão que não exerceu o seu papel de líder como deveria ser.(1) Se Adão fosse o líder cuidadoso como deveria ser, Adão teria dito: “Eva pare”! “Esta serpente quer nos enganar. Deus é muito bom e perfeito. Deus sabe, tem e quer o melhor para nós”. Todavia, infelizmente Adão abandonou a ordem que Deus havia estabelecido e o desastre aconteceu.

O ponto principal nesse texto não é que a mulher é mais vulnerável ou mais facilmente iludida do que homem como, equivocadamente, advogam alguns. A questão é que nós nos tornamos facilmente iludidos quando abandonamos a ordem estabelecida por Deus. Da mesma maneira hoje, satanás quer destruir a igreja, os casamentos, e a sociedade fazendo com que as pessoas quebrem a ordem estabelecida por Deus.

II. Interpretando 1 Tm 2.11-14

Nesse texto existem três palavras que são fundamentais para compreensão do mesmo. A saber: silencio, ensino e autoridade.

2.1 – O significado da palavra silêncio. A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição (2 Tm 2.11). O que significa quando Paulo afirma que mulher deve aprender em silêncio? Vale notar, que o contexto é de aprendizagem e ensino, “a mulher aprenda em silêncio”. Mas que silêncio é esse? Será que a mulher não pode ter nenhum tipo de palavra na igreja? Eu penso que não, observe.

A palavra silêncio é tradução da palavra grega hesuchia que tem como significado primário calmo, tranqüilo, e sossegado.(2) Esse significado é usado em seu contexto imediato em 1 Tm 2.2: “… para que tenhamos uma vida quieta e sossegada (hesuchia), em toda a piedade e honestidade”. Eles oravam para que a vida fosse sossegada, calma e tranqüila.

Na língua portuguesa existe uma conotação diferente entre a palavra sossegado, tranqüilo e silêncio. Razão pela qual a palavra grega hesuchia traduzida como silêncio no versículo 12 tem seu melhor significado como: prestar atenção de forma tranqüila, inclusive guardando silêncio (no momento da aprendizagem).(3) É um sossego como postura de aprendizado e submissão.(4) Observe que essa realidade é comprovada dentro do próprio texto, em que a palavra hesuchia (tranqüila, traduzida como silêncio), no versículo 11, é uma expressão de sujeição ou submissão (a mulher aprenda em silêncio com toda sujeição), e também no versículo 12 a palavra hesuchia (sossegada, silencio) está em oposição a autoridade do homem (“não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o homem…”). Logo, hesuchia significa que as mulheres não deveriam falar na igreja de maneira a questionar a autoridade do homem (o pastor).

2.2. O significado da palavra ensino

“Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio” (1 Tm 2.12). Qual a abrangência da palavra ensino aqui dirigida as mulheres? A resposta estará em outros textos do N.T. onde a mulher ensina. Por ex. Tito 2:3 “As mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias no seu viver… Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes…”. Logo, existe um tipo de ensino que as mulheres estão realizando.

O segundo texto: 2 Tm 3.14 2 “Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras…” Mas quem ensinou Timóteo foi sua vó Lóide e sua mãe Eunice (2 Tm 1.5), uma vez que seu pai não era cristão.

Uma terceira descrição de mulheres ensinando no N.T. está em At 18.26 “Ele começou a falar ousadamente na sinagoga; e, quando o ouviram Priscila e Áqüila, o levaram consigo e lhe declararam mais precisamente o caminho de Deus”. Aqui, claramente, Priscila e seu marido estavam ensinando Apolo.

Em suma, o N.T. apresenta mulheres mais velhas ensinando as mais novas, mulheres ensinando crianças e mulher com seu marido ensinando outro homem em uma situação informal. Portanto, quando Paulo diz: “Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade… mas que esteja sossegada (em silêncio)” (1 Tm 2.14). Paulo está afirmando que a mulher não deve ensinar quando seu ensino for parte de um exercício de autoridade sobre a igreja. O próprio versículo 14 demonstra essa realidade quando faz a ligação da palavra ensino com autoridade (ensine, nem use de autoridade). No meu entender, há uma razão para que Paulo faça essa conexão da palavra ensino com a palavra autoridade.

A razão pela qual a segunda frase (nem use de autoridade) influencia o significado da primeira (que a mulher ensine) é que existem outras passagens na Bíblia que diz que a mulher pode ensinar na igreja. Logo, é errado afirmar que a mulher não pode ensinar nunca em qualquer situação. O que o apóstolo afirma é que a mulher não deve ensinar na Igreja quando seu ensino for parte de um exercício de autoridade sobre a igreja.

2.3. O significado da palavra autoridade

Para se compreender o que significa a palavra autoridade em 1 Tm 2.14 é preciso observar os dois aspectos do ofício do pastor (ou do presbítero) que não pertence ao diácono. Isso pode ser constato analisando 1 Tm 3 juntamente com 1 Tm 5.17, que diz: “Os presbíteros (ou pastores) que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina”.

Vale citar que as duas diferenças principais entre os pastores (e presbíteros) e os diáconos é o ofício de presidir e o de ensinar. Observe que na lista de qualificações dos pastores (1Tm3), estes precisam ser aptos para ensinar. Mas, aos diáconos não é exigido essa prerrogativa. Assim, pastores e presbíteros são chamados a serem supervisores e mestres no ensino, diáconos não. Portanto, governar e ensinar são as duas prerrogativas que diferenciam pastores (e presbíteros) de diáconos.

Voltando a 2 Tm 2.12, veja que é exatamente essas duas coisas que são proibidas para as mulheres. Eu não permito que a mulher ensine e que exerça autoridade sobre o homem. Diante dessa afirmativa de Paulo, chega-se a seguinte conclusão para o texto de 1 Tm 2.11-14: No mínimo Paulo está dizendo que não permite que uma mulher seja pastora ou presbítera. Se o texto vai além desse significado pode ser aprofundado, mas no mínimo significa isso.

CONCLUSÃO

Ficou demonstrado que Deus estabeleceu uma ordem na criação. Adão abandonou a ordem estabelecida por Deus. Quando o ser humano abandona a ordem criada por Deus se torna vulnerável ao desastre.

O ponto principal em Gn 3 não é que a mulher é mais vulnerável ou mais facilmente iludida. A questão é que o ser humano se torna facilmente iludido quando abandona a ordem estabelecida por Deus.

Voltando a 1 Tm 2.14, o argumento usado por Paulo não é cultural, ele transporta seu argumento para antes do pecado, usando o evento da queda como alicerce para sua justificativa. Portanto é um argumento teológico, supracultural.

Assim, a verdade transmitida em 1 Tm 2.14 não é que o homem não possa ser iludido e que a mulher pode ser iludida mais facilmente. O fato é que quando ordem de Deus é quebrada, homens e mulheres se tornam vulneráveis as tentações do inimigo. E a vida como planejada por Deus entra em colapso. Nessa perspectiva, pode-se afirmar que a Igreja também será arruinada se abandonar a ordem estabelecida por Deus para a Igreja.

Diante do exposto, minha posição é que o ofício de pastor (ou presbítero) é uma responsabilidade, dada por Deus, exclusivamente aos homens. Eu creio que 1 Tm 2.12-14 dá suporte a bíblico exegético a minha afirmação.

Pr. Wilson Franklim
wilfran@gmail.com

Nota

(1) É importante notar que Adão e Eva estavam juntos o de Gn 3.6 demonstra isso.
(2) BibleWorks 7.0 (Friberg Lexicon ref.13264)
(3) GINGRICH, F.W. e DANKER, F.W. Léxico do NT Grego/Português. São Paulo, Vida Nova, 1991. p.95. Também pode significar calma.
(4) ROBERTSON, A.T. Comentário al Texto Griego del Nuevo Testamento. Barcelona, Clie, 2003. p.571.